Vinte e quatro de abril, um dia pra celebrar aquele que nos acompanha em todos os momentos

Tapado, invertido, escovado, furo alto, ventania, formigueiro, tradicional, dentre tantos outros. Independentemente da forma como é preparado, o chimarrão continua sendo o amargo mais saboroso do mundo.

Visto como a bebida tradicional do Rio Grande do Sul, sendo a preferida dos gaúchos que não tem hora para apreciá-lo, o chimarrão ainda é símbolo da amizade, afeto e hospitalidade, afinal o “vamos matear” é um convite quase que irrecusável.

A bebida se torna mais atrativa ainda quando são revelados os seus benefícios: a erva-mate é digestiva; o chimarrão é um moderado diurético; é estimulante das atividades físicas e mentais; contém vitaminas A, B1, B2, C e E; rica em sais minerais, como cálcio, ferro, fósforo, potássio, manganês; é vasodilatador, atua sobre a circulação acelerando o ritmo cardíaco; auxiliar no combate ao colesterol ruim (LDL), graças à ação antioxidante; é rico em flavonóides (antioxidantes vegetais), que protegem as células e previnem o envelhecimento precoce; e auxilia em dietas de emagrecimento.

E para deixar clara ainda mais a sua importância, existe um dia dedicado somente a ele, o Dia do Chimarrão, comemorado em 24 de abril. A escolha da data é uma homenagem à fundação do primeiro Centro de Tradição Gaúcha do mundo, CTG 35, em 24 de abril de 1948. A tradição de fazer uma espécie de chá feito com a erva-mate era comum entre os indígenas que habitavam a região Sul do Brasil e atual Uruguai, principalmente entre os guaranis, aimarás e quíchuas.

 

Parceria garante a qualidade do chimarrão  

O companheiro diário de milhares de pessoas, pode se tornar ainda melhor, quando é elaborado com uma erva-mate de qualidade, como a Natufolha, que atua com matéria-prima selecionada, dos melhores ervais da região, como o de propriedade de Sidnei Ferreira, da Linha Campo Bonito, em Nova Alvorada, que trabalha com o cultivo de erva-mate desde muito jovem seguindo os passos do pai.

“Tenho cerca de dez hectares de erva-mate plantada e sou produtor exclusivo da Natufolha há cerca de quatro anos. A parceria está dando muito certo, pois eles são muito honestos nos negócios”, frisa ele que comercializa a erva-mate da sua propriedade, no pé.

Além do plantio de erva-mate, Ferreira ainda trabalha com bovinos e lavouras de soja alugadas. “Mas vejo que vale muito mais a pena investir na erva-mate, que pode ser colhida três vezes ao ano, do que a soja, que pode ser colhida somente uma vez por ano”, avalia.

E a paixão pelo plantio de erva-mate é tanto que, o consumo não poderia ser diferente. “Anos atrás eu acordava de madrugada e tomava uma chaleira de mate para depois ir trabalhar. Hoje não tenho mais esse hábito, mas o chimarrão segue sendo nosso companheiro diário, principalmente nos finais de tarde”, salienta.

Quer saber mais sobre a Natufolha e seus produtos, e deixar a hora do mate ainda mais especial? Entre em contato pelo telefone (51) 3772.1101, visite a empresa situada às margens da ERS-332 em Arvorezinha, ou a acompanhe pelas redes sociais Facebook e Instagram.

 

Os dez mandamentos do chimarrão:

1 – Não peças açúcar no mate;

2 – Não digas que o chimarrão é anti-higiênico;

3 – Não digas que o mate está quente demais;

4 – Não deixes um mate pela metade;

5 – Não te envergonhes do “ronco” no fim do mate;

6 – Não mexas na bomba;

7 – Não alteres a ordem em que o mate é servido;

8 – Não condenes o dono da casa por tomar o primeiro mate;

9 – Não durmas com a cuia na mão;

10 – Não digas que o chimarrão dá câncer na garganta.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *